O GOVERNO MUNICIPAL DE MARI DÁ INÍCIO A IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PILOTO: PROPRIEDADE PRODUTIVA

A Prefeitura Municipal de Mari, através da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Agrário, inicia a implantação do Projeto Piloto: Propriedade Produtiva, o qual tem por finalidade o incentivo ao incremento da renda dos produtores e agricultores familiares, através da inserção de novas variedades e cultivares de Mandioca, Batata doce, Arroz, Fava, Milho e Urucum e da utilização de tecnologias apropriadas, buscando a melhoria da renda das famílias envolvidas e aumento da produção agrícola do município.


Inicialmente foi implantado no domingo, 08/04, o plantio experimental de mandioca/macaxeira; estão sendo testadas três variedades e duas cultivares. O trabalho de orientação e plantio foi realizado pelos estudantes da UFPB/CCA Areia, uma das instituições parceiras do Projeto. Foi escolhida uma área para o plantio na comunidade de Pirpiri, zona rural do município. As variedades e cultivares que estão sendo experimentadas são as seguintes: Kiriris, Pé de Pombo, Rosa Branca, a Toinha (“Tuninha”) e Pitangueira.
O Projeto Piloto: Propriedade Produtiva irá ser desenvolvido em várias áreas do município e com diversas culturas agrícolas, as quais foram citadas acima, além de uma experimentação com implantação de uma ação chamada de Frutiovinocultura, que consiste na criação de ovinos em consórcio com frutíferas nativas, criação de franco e a produção de ovos Caipira.
O Projeto Piloto: Propriedade Produtiva foi pensado e elaborado pelos membros da SMDEA, no entanto, na sua execução, conta com um pool de instituições públicas e privadas, elencadas a seguir: Empresa Paraibana de Pesquisa Agropecuária – EMEPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA, Empresa Paraibana de Assistência e Extensão Rural – EMATER, Centro de Ciências Agrárias de Areia – UFPB/CCA e a Pró-reitoria para Assuntos Comunitários – PRAC/UFPB, e existe articulação com o Serviço Nacional de aprendizagem Rural – SENAR e com a Secretaria de Agropecuária do Estado da paraíba – SEDAP e a Cooperativa da Agricultura Familiar do Estado da Paraíba – COPAF.
A parceria consiste no seguinte:
– Planejamento e realização de ações conjuntas;
– Transferências de tecnologia/conhecimentos;
– Aquisição e doação de sementes (variedades e cultivares) e de matrizes do Ovino para experimentação;
– Aporte de recursos humanos;
– Aporte de equipamentos e materiais na realização de ações e atividades do Projeto;
– Capacitação e treinamentos;
– Troca de experiências;
– Realização de intercâmbios.
Os solos nos quais serão implantadas as experiências receberão tratamento adequado, visando o alcance dos resultados almejados, tais como: análise e correção do solo e o controle biológico de pragas e doenças.
O prefeito e agricultor Antonio Gomes, afirma que logo em breve o município de Mari estará efetivamente impulsionando sua economia, com foco na geração de trabalho e renda ao homem e a mulher do campo. “O que tem de mais animador nesse projeto é que os nossos amigos e amigas agricultores estarão num futuro próximo podendo colher de forma satisfatória os frutos dessa grande iniciativa do nosso governo”, arrematou, AG. Conforme enfatizou o secretário de Desenvolvimento Econômico e Agrário, Severino Ramos, o Projeto tem como princípio norteador: “o desenvolvimento econômico, social, ambiental e cultural em nosso município e passa necessariamente pelo desenvolvimento do Rural. E não pode ser um desenvolvimento qualquer; trata-se de um Desenvolvimento focado na valorização da pessoa humana e no respeito e zelo com o Meio Ambiente. Por isso, estamos construindo uma proposta de ação para o Campo que visa o fortalecimento da produção agropecuária em seus diversos aspectos, tais como: a melhoria genética de variedades e cultivares, criação de animais em consórcios com frutíferas e, ao mesmo tempo, buscar produzir mais e melhor nas mesmas áreas que já estão sendo utilizadas. Por outro lado, para harmonizar o Desenvolvimento econômico com inclusão social, produzir alimentos saudáveis e proteger a natureza só será possível com uma prática focada na Agroecologia e na produção orgânica”. Sendo que o mesmo tem 4 objetivos bem definidos, quais sejam: “melhorar a renda, produzir alimentos saudáveis, aumentar a produtividade e a apropriação de tecnologias apropriadas”, ressaltou.
Já o Engenheiro Agrônomo Adelaido Pereira, salientou o seguinte: “são variedades bem selecionadas para o plantio, e no momento correto teremos a resposta da semente que melhor se adequou ao solo, quanto a qualidade e a produtividade. Essa é a expectativa principal que temos com a entrada de novos materiais para que possamos ter a tecnologia definida”. Adelaido é o gerente de Recursos Naturais e Desenvolvimento Sustentáveis da SMDEA.

COMPARTILHAR