Prefeitura de Mari constata excelente resultado em silagem feita a partir do sorgo forrageiro

O Município de Mari, posicionado na Zona da Mata Paraibana, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Agrário, realizou hoje, 04 de outubro, a abertura dos recipientes nos quais se encontravam as 9,4 toneladas de material resultante do processamento do sorgo forrageiro destinados à ração animal, e que após o período de maturação, resultou num excelente alimento para os bovinos.

Na utilização desta tecnologia simples, matéria verde passa por um processo de fermentação anaeróbio (sem oxigênio), que dura em torno de 60 dias.  A prática dessa dinâmica visa conservar forragem no período de maior disponibilidade (época das chuvas) para ser usado no período de estiagem, sendo que o material estocado em sacos plásticos mantêm a mesma qualidade nutricional, além de ser agradabilíssimo para o paladar dos animais.

De acordo com o gerente de pecuária da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico e Agrário, Erick Paiva (Mestre em Produção e Nutrição Animal), “todo processo seguiu padrões técnicos e sem a utilização de agrotóxico na matéria prima (o sorgo forrageiro) e nem de aditivos na conservação da ração, visando a boa alimentação animal e a qualidade da carne a ser consumida”, pontuou.

Todo o trabalho foi assessorado pelo Médico Veterinário, o Dr.° Manoelito, da EMATER. Ressalta-se que esse trabalho conta com a parceria entre a prefeitura municipal de Mari, a EMATER e a EMEPA.

Segundo o secretário da pasta, o Sr. Severino Ramos, “o objetivo desse trabalho experimental (dentro das ações do Projeto Propriedade Produtiva) no  processo de conservação da forragem (no caso o sorgo), é fornecer conhecimento sobre a possibilidade concreta de “um modelo simples e eficaz” para os criadores de pequeno e médio porte que queiram trabalhar com o confinamento bovino”, avaliou o secretário.

 

COMPARTILHAR